Epicondilite lateral

Tecido degenerativo no tendão dos extensores/supinadores do punho

Texto de Dr. Joel Murachovsky Contatos: 11-37438251 0u 11-32570763

Epicondilite Lateral Causas, Sintomas e Tratamento

Epicondilite lateral ou cotovelo do tenista, do ingles “tenis elbow”, é uma queixa comum de dor no cotovelo e se caracteriza pela queixa de dor no território do epicôndilo lateral, (aquela ponta de osso que palpamos na face lateral do cotovelo)  nas atividades da vida diária e muitas  vezes  associadas aos esportes, como o tenis que deu origem ao nome, mas também em exercícios de musculação

Ao examinarmos o paciente,  este apresenta dor à palpação da região em torno do epicondilo lateral e dor à extensão do punho contra resistência e à manobra de  tentar virar a palma da mão para cima contra resistência da mão do médico.

O tratamento de início, consiste  em mudanças das atividades do dia a dia, protegendo-se de realizar movimentos dolorosos, uso de  analgésicos, crioterapia (gelo) no local e fisioterapia. Bandas elásticas protetoras também auxiliam, quando do  retorno ao esporte, que deve ser gradual e após intenso programa de reeducação postural e fortalecimento muscular seletivo. O uso de cortisona local é controverso. Existem autores, que apresentam bons resultados com o seu uso, mas outros não mostram uma melhora significativa. Deve-se considerar que os efeitos secundários da cortisona podem ser mais perniciosos que a própria doença.

A cirurgia pode estar  indicada na falha do tratamento conservador por um período nunca inferior a  seis meses, e se a dor atrapalha às atividades da vida diária, ou no caso de um esportista, na sua performance. (Devemos lembrar que no casos de atletas de alta performance o tempo de tratamento conservador é menor- 3 meses). Isso significa a não melhora da dor no cotovelo, seja nas atividades da vida diária, seja na atividade esportiva.

Deve-se tomar cuidado com outras patologias (outras causas de dor no cotovelo), que podem simular uma epicondilite lateral, como por exemplo, a síndrome do nervo interósseo posterior, que é uma compressão deste nervo e que leva a sinais e sintomas parecidos aos da epicondilite lateral.

O tratamento cirúrgico realizado é feito através da ressecção do tecido degenerado próximo ao epicôndilo lateral. Hoje sabemos, que este tecido é a causa da dor, e localiza-se, na grande maioria das vezes, no músculo extensor radial curto do carpo, podendo se estender ao extensor comum em algumas situações. Esta ressecção pode ser feita com um corte de aproximadamente 5cm sobre o epicôndilo lateral no cotovelo ou por meio da video-artroscopia. Em torno de 10% dos pacientes operados existe uma dor residual no epicôndilo lateral. Outras técnicas mais recentes como a aplicação de uma corrente de radio frequencia na inserção do tendão,  tem mostrado resultados interessantes em alguns casos.